Siga-nos:
  • Wix Facebook page
  • SoundCloud App Icon
  • YouTube Classic
  • Wix Twitter page
  • issuu.png
  • google_play_icon___logo_by_chrisbanks2-d4s1i75.png
  • Apple-App-Store-icon

© 2014 - Fazendo Discípulos / Todos os Direitos Reservados 

Please reload

Recentes

CONTRIBUIÇÕES NA IGREJA

14/11/2019

1/10
Please reload

Destaques

Todos os homens são escravos

19/11/2014

“Replicou-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo: todo o que comete pecado é escravo do pecado.” (Jo 8.34)

 

Quando Adão pecou, tudo mudou. Aquele homem perfeito e santo morreu. E passou a sofrer todas as consequências dessa morte: a habitação, a escravidão e a condenação do pecado.

 

Já vimos o que Deus fez para nos salvar da Condenação do pecado. Vamos agora tratar do que Deus faz para nos salvar da Escravidão do pecado.

 

A história da escravidão do homem

 

No princípio, quando Deus criou o homem, Ele o criou para ser seu filho, e manifestar a vida de Deus vivendo em obe­diência. Porém Deus lhe deu liberdade. Ele queria que o homem o obedecesse voluntariamente.

 

Entretanto o homem não o quis. Queria ser independen­te. Ele pensava que ficando independente ficaria livre da obe­diência. Enganou-se terrivelmente. Ao abandonar ao Senhor, o homem tornou-se escravo de outro senhor: o pecado. O pecado tornou-se senhor do homem. E agora domina sobre ele.

 

Quando o homem se separou de Deus, na verdade, esta­va escolhendo um outro senhor. (Rm 1.24, 26, 28).

 

“E, por haverem desprezado o conhecimento de Deus, o próprio Deus os entregou a uma disposição mental reprovável, para pra­ticarem coisas inconvenientes,” (Rm 1.28).

 

O homem abandonou seu legítimo Senhor, criador, que o amava, e entregou-se a um senhor perverso, enganador e destruidor.

 

Todos os homens são escravos

 

Não há homem livre da obediência. Todos os homens obedecem a um senhor. Alguns conscientemente, outros in­conscientemente.

 

“Não sabeis que daquele a quem vos ofereceis como servos para obediência, desse mesmo a quem obedeceis sois servos, seja do peca­do para a morte ou da obediência para a justiça?” (Rm 6.16)

 

Depois que Adão pecou, transmitiu a natureza pecamino­sa aos seus descendentes. Assim, todos os homens já nascem escravos do pecado. Porém a maioria não sabe disto. O bebê mente e desobedece sem precisar ser ensinado a isso. O homem obedece ao pecado o tempo todo, sem perceber. Ele é cegamen­te servo da injustiça, da maldade, da impureza e do egoísmo.

 

Este é um princípio absoluto: Todos os homens na terra obedecem a alguém: ou a Deus, ou ao pecado.

 

E o pecado é um senhor perverso, que levará todos os seus servos à morte (Rm 6.21-23).

 

A lei do pecado

 

“Mas, se eu faço o que não quero, já não sou eu quem o faz, e sim o pecado que habita em mim. Então, ao querer fazer o bem, encontro a lei de que o mal reside em mim. Porque, no tocante ao homem interior, tenho prazer na lei de Deus; mas vejo, nos meus membros, outra lei que, guerreando contra a lei da minha mente, me faz prisioneiro da lei do pecado que está nos meus membros. Desventurado homem que sou! Quem me livrará do corpo desta morte?”(Rm 7.20-24).

 

Aqui Paulo nos revela mais da extensão da realidade do pe­cado. Existe uma presença permanente do pecado em nossa carne cujo efeito é a escravidão. O pecado tem poder sobre o homem.

 

O pecado tem poder sobre o homem. Torna-se seu senhor.

 

O apóstolo Paulo chama isto da lei do pecado e da morte. Esta é uma lei espiritual que age sobre todos os homens. A lei do pecado corrompeu a natureza humana e tornou o homem incapaz de fazer a vontade de Deus.

 

Podemos ilustrar o efeito desta lei. A lei do pecado e da morte está presente em nossa carne assim como a lei da gravidade está presente na terra. Do mesmo modo que a lei da gravidade determina que todo corpo seja atraído pela terra, assim também a lei do pecado determina que nossa carne seja atraída pelo pecado. E assim como não se pode eliminar a lei da gravidade na terra, também não se pode eliminar a lei do pecado. Ela está presente o tempo todo, escravizando todos os homens ao pecado.

 

Isto é tão forte, que o apóstolo em um brado desespera­do, exclama: “Desventurado homem que sou! Quem me livrará do corpo desta morte?”

 

A lei do pecado e da morte tornou o homem inútil para fazer a vontade de Deus.

 

O estado de inutilidade do homem era desesperador. Não havia nenhuma possibilidade para o homem de libertar-se por suas próprias forças. Mas graças a Deus por Jesus Cristo nosso Senhor, por meio de quem obtemos poderosa redenção.

 

Via Fazendo Discipulos

Please reload

Please reload

Arquivos