Siga-nos:
  • Wix Facebook page
  • SoundCloud App Icon
  • YouTube Classic
  • Wix Twitter page
  • issuu.png
  • google_play_icon___logo_by_chrisbanks2-d4s1i75.png
  • Apple-App-Store-icon

© 2014 - Fazendo Discípulos / Todos os Direitos Reservados 

Buscar

A vida de Cristo nos liberta da escravidão

Recebemos uma nova vida em Cristo Em Cristo, Deus proveu uma solução radical para a es­cravidão do pecado. Ele não deu um remédio provisório. Ele resolveu o problema definitivamente. A única solução para o homem completamente estragado e destruído era receber uma nova vida. E foi exatamente isto que Deus fez. Deus resolve o problema da escravidão, dando uma nova vida ao homem. “Ou, porventura, ignorais que todos nós que fomos batizados em Cristo Jesus fomos batizados na sua morte? Fomos, pois, sepul­tados com ele na morte pelo batismo; para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos pela glória do Pai, assim também andemos nós em novidade de vida.” (Rm 6.3-4) Quando somos batizados e

Todos os homens são escravos

“Replicou-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo: todo o que comete pecado é escravo do pecado.” (Jo 8.34) Quando Adão pecou, tudo mudou. Aquele homem perfeito e santo morreu. E passou a sofrer todas as consequências dessa morte: a habitação, a escravidão e a condenação do pecado. Já vimos o que Deus fez para nos salvar da Condenação do pecado. Vamos agora tratar do que Deus faz para nos salvar da Escravidão do pecado. A história da escravidão do homem No princípio, quando Deus criou o homem, Ele o criou para ser seu filho, e manifestar a vida de Deus vivendo em obe­diência. Porém Deus lhe deu liberdade. Ele queria que o homem o obedecesse voluntariamente. Entretanto o homem não o quis.

A importância das obras

Importa se pecamos ou não? É claro que importa. E muito. Devemos entender muito bem isto. Depois de entender que nossa justificação não depende de nossas obras, alguém pode ter uma reação maldosa, brin­cando com Deus e desprezando a Cristo. “E por que não dizemos, como alguns, caluniosamente, afirmam que o fazemos: Pratiquemos males para que venham bens? A condenação destes é justa.” (Rm 3.8) “Que diremos, pois? Permaneceremos no pecado, para que seja a graça mais abundante? De modo nenhum! Como viveremos ainda no pecado, nós os que para ele morremos?” (Rm 6.1-2) Alguém pode querer enganar a Deus tendo a seguinte reação: “Já que não depende de meu procedimento, porque vou obedecer? Por que v

Somos justificados pela fé em Cristo

Justificados pela Fé “Justificados, pois mediante a fé, tenhamos paz com Deus, por meio de nosso Senhor Jesus Cristo;” Rm 5.1. Como opera em nós toda esta realidade da morte de Cris­to em nosso lugar? Através da fé. A justificação ocorre por meio da fé na morte de Cristo em nosso lugar Justificado quer dizer declarado justo. Quando a palavra nos fala que somos justificados, isto significa que Deus nos declara justos. Deus já não nos vê como pecadores. Isto é a justificação dos nossos pecados. “Logo, muito mais agora, sendo justificados pelo Seu sangue, sere­mos por ele salvos da ira.” Rm 5.9. Como pode ser isto? É simples. Deus aceitou o sacrifício de Cristo. Logo já não atribui a nós a noss

A morte de Cristo: a solução da condenação

Como vimos, todos os homens estavam condenados à morte. Não havia esperança. Mas Deus, em Seu infinito amor, proveu o único caminho possível de salvação. “Aquele que não conheceu o pecado, Ele o fez pecado por nós, para que nEle fôssemos feitos justiça de Deus.”(2Co 5.21) Cristo morreu em nosso lugar Por causa da Sua santidade e da Sua justiça, Deus não poderia ser complacente com o pecado. Era necessário que fos­se pago com a vida. Era necessário haver a remissão da dívida do homem. Quando alguém tem uma dívida, outra pessoa pode pagar por ele. Porém, nenhum homem tinha como pagar a dívida com Deus, porque todos eram devedores. Então Deus, por causa do Seu grande amor, providenciou um homem

Todos os homens estão condenados

Todo homem é pecador No ponto anterior vimos que Deus é absolutamente santo e justo. Por isso podemos compreender bem porque a Bíblia afirma: “… não há justo, nem sequer um”. Rm 3.10. E ainda: “… todos pecaram e carecem da glória de Deus”. Rm 3.23. Todos os homens são pecadores por dois motivos: Primeiro Porque homem nenhum, sobre a face da terra, poderia se apresentar diante de Deus declarando que nunca co­meteu pecado. “Se dissermos que não temos pecado nenhum, a nós mesmos nos enganamos, e a verdade não está em nós.” (1Jo 1.8). Pecamos de muitas maneiras. Pecamos quando fazemos algo que não agrada a Ele (1Jo 3.4; Tg 2.8-10), e pecamos quan­do deixamos de fazer algo que Ele ordena – amar,

Deus é santo e justo

É muito comum falar-se do amor de Deus. Este é um atributo bem conhecido dEle. Entretanto, só vamos compreen­der bem a extensão desse amor, se conhecermos bem outras características deste mesmo Deus, que são tão importantes quanto Seu amor. Deus é absolutamente santo “Eu sou o Senhor, vosso Deus; portanto, vós vos consagrareis e sereis santos, porque eu sou santo; … portanto, vós sereis santos, porque eu sou santo.” (Lv 11.44-45). “Farei conhecido o meu santo nome no meio do meu povo de Isra­el e nunca mais deixarei profanar o meu santo nome; e as nações saberão que eu sou o Senhor, o Santo em Israel.” (Ez 39.7). Santo significa separado, puro, sem mistura. Os objetos santos do templo dos ju

Cristo: completa solução para o pecado

O estado do homem depois da queda era terrível. O ho­mem não precisava só de arrependimento, nem somente de perdão. Precisava de uma restauração completa. “Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” (Jo 3.16) Certo dia um menino olhou para o alto de uma mangueira e viu deliciosas mangas. Mesmo lembrando-se das palavras de seu pai, que o avisara que não subisse na mangueira, pois era muito alta, ele resolveu fazê-lo. Subiu, subiu até que chegou a um alto galho. Porém, a manga mais atraente estava na ponta do galho. Quando se aproximou, o galho quebrou e ele caiu. Na queda ainda se lembrou das palav

Os três aspectos do pecado

A queda do homem Ao criar o homem, Deus tinha em seu coração um glorio­so plano. O Seu propósito era ter uma família de muitos filhos semelhantes a Ele. Ele criara o homem à Sua própria imagem e semelhança (Gn 1.26). Perfeito e santo como Deus é. Porém, quando Adão pecou, desviou-se completamente desse plano. O pecado foi uma intromissão violenta no propósito de Deus. Aquele homem perfeito e santo estragou-se, corrompeu-se, morreu. Então passou a sofrer todas as conseqüências dessa morte. Os filhos se separaram do Pai. A família foi rompida. O pecado deixou o homem em estado deplorável. A que­da foi enorme. O homem se tornou de tal maneira estragado que não tinha como recuperar-se a si mesmo

Tornou-se Homem

Que tremenda é essa verdade! O Verbo Eterno, criador de todas as coisas, se esvaziou de sua glória e assumiu a forma de homem. “…Cristo Jesus, subsistindo em forma de Deus, não considerou o ser igual a Deus coisa a que se devia aferrar; antes, a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornando-se em semelhança de homens; e, reconhecido em figura humana, a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até à morte e morte de cruz.” Fp 2.6-8 Imagine um homem se transformando num verme! ainda seria muito pouco para ser comparado com o esvaziamento do Verbo, porque seria uma criatura assumindo a forma de outra criatura inferior. Mas quando o Verbo se fez carne, foi algo muito mais tremend

Jesus Ressusitou

“ao qual, porém, Deus ressuscitou, rompendo os grilhões da morte; porquanto não era possível fosse ele retido por ela”. At 2.24. Se a morte de Jesus está coberta de sentido e de glória, quanto mais a sua ressurreição! As Escrituras nos mostram vários aspectos da ressurreição de Jesus e seu amplo significado. Vamos ver os principais. A ressurreição de Jesus é a sua vitoria sobre a morte E, quando este corpo corruptível se revestir de incorruptibilidade, e o que é mortal se revestir de imortalidade, então, se cumprirá a palavra que está escrita: Tragada foi a morte pela vitória. Onde está, ó morte, a tua vitória? (…) Graças a Deus, que nos dá a vitória por intermédio de nosso Senhor Jesus Cris

Sua obra foi tremenda e grandiosa

“…como Deus ungiu a Jesus de Nazaré com o Espírito Santo e com poder, o qual andou por toda parte, fazendo o bem e curando a todos os oprimidos do diabo, porque Deus era com ele”. At 10.38. Na vida de Jesus, não admiramos somente a sua santidade, mas também o poder que se manifestou no seu ministério. Ele fez muitos milagres, prodígios e sinais (At 2.22): Ele curou enfermos, deu a vista aos cegos, ressuscitou mortos, andou sobre as águas, multiplicou alimentos, pregou às multidões, fez discípulos e ensinou-lhes como agradar ao Pai. Com que poder fez isso? Ele não fez nada como Deus – havia se esvaziado da forma de Deus e vivia como homem, portanto, necessitava do poder do Espírito Santo para

Sua vida foi perfeita e irrepreensível

“…o qual não cometeu pecado, nem na sua boca se achou engano”. 1Pe 2.22. Primeiro, Jesus esvaziou-se, tornando-se homem. Depois, como homem, continuou esvaziando-se. De que forma? Não fazendo nunca a sua própria vontade. O texto de Fp 2.8 diz: “…se humilhou, sendo obediente até a morte…” Qual foi o pecado de Adão? Fez a sua própria vontade. Agora, Jesus, como último Adão (1Co 15.45), veio para fazer sempre a vontade do Pai. “Disse-lhes Jesus: A minha comida consiste em fazer a vontade daquele que me enviou e realizar a sua obra. Jo 4.34 E aquele que me enviou está comigo, não me deixou só, porque eu faço sempre o que lhe agrada”. Jo 8.29. A escritura diz que Ele não cometeu pecado, porque El

Jesus morreu pelos nossos pecados

Todas as pessoas falam e até os incrédulos sabem que Jesus morreu pelos nossos pecados. Mas não temos revelação espiritual enquanto não sabemos porque foi necessária esta morte. Por que Deus exigiu a vida de seu único Filho? “Aquele que não conheceu pecado, ele o fez pecado por nós; para que, nele, fôssemos feitos justiça de Deus.” 2Co 5.21. Para conhecermos o amor de Deus, é necessário conhecer também sua santidade e justiça. Deus é perfeitamente santo e perfeitamente justo. Não pode suportar nem mesmo aquilo que para os homens seria um “pequeno erro”. Sua santidade se ofende com qualquer forma de pecado e sua justiça exige castigo e punição (Rm 1.18). Assim é Deus. Diante de Deus, todos os

Jesus existia antes de todas as coisas

“No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por intermédio dele, e, sem ele, nada do que foi feito se fez.” Jo 1.1-3 Muitos pensam que Jesus é um ser que começou a sua vida quando nasceu em Belém da Judéia. Mas isto não é verdade. Todos nós começamos nossa vida quando somos gerados no ventre de nossa mãe. Antes não existíamos. Mas não foi assim com ele. Jesus existia muito antes de nascer em Belém. Não como homem, mas como o Verbo de Deus. O Verbo não foi criado. Ele era Deus e sempre existiu. Ele fez todas as coisas. Grandioso é Jesus. Jesus existia muito antes de nascer em Belém. Nunca foi criado

Vida e Obra de Jesus

Jesus não disse que veio para trazer uma verdade. Ele disse: “Eu sou a verdade …” (Jo 14.6). Ele não veio trazer simplesmente uma religião, nem uma filosofia, ou um monte de regras como código de conduta. Jesus veio trazer ele mesmo. Ele é a ressurreição e a vida. Para receber essa vida temos que conhecê-lo: quem Ele é, de onde Ele veio, o que Ele falou, o que Ele fez, onde Ele está, o que Ele deseja. “E a vida eterna é esta: que te conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e Jesus Cristo, a quem enviaste.” João 17.3. Alcançamos esse conhecimento pela fé na sua palavra. Oh, como é importante receber e crer na palavra que Deus dá acerca de seu Filho! Ore, leia e medite nessa palavra. Peça ao Es

Jesus Voltará

“Então, aparecerá no céu o sinal do Filho do Homem; todos os povos da terra se lamentarão e verão o Filho do Homem, vindo sobre as nuvens do céu, com poder e muita glória”. Mt 24.30. Que bendita esperança! O Senhor glorificado virá e se manifestará ao mundo. Esse será, sem dúvida, o dia mais tremendo que essa terra terá conhecido. Para muitos, será um dia de terror e lamentação. Para nós, porém, será um dia de júbilo e de alegria incomparável. O que a Bíblia ensina sobre esse dia? O assunto é tão amplo e com tantas implicações, que alguns textos são motivo de discussão e dão origem a interpretações diferentes. A maior parte do ensino, entretanto, refere-se a coisas claras e indiscutíveis. Sã

Foi Exaltado

“Pelo que também Deus o exaltou sobremaneira e lhe deu o nome que está acima de todo nome, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, nos céus, na terra e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai”. Fp 2.9-11 Jesus foi exaltado Que verdade gloriosa! Como gostamos de ler, falar, repetir e até cantar essa palavra! “Todo joelho se dobrará, toda língua confessará que Jesus Cristo é o Senhor”. Os homens do tempo de Jesus, inclusive os sacerdotes judeus, julgaram Jesus como um criminoso e o desprezaram. Mas Deus tinha um julgamento totalmente oposto ao dos homens. Que dia tremendo foi aquele quando Pedro se levantou e falou: “Esteja absolutame

Idolatria da Tecnologia

Ouça aqui a palavra sobre "idolatria da Tecnologia" dada por Marcos Moraes, no encontro de jovens dia 19/10/2014 na chacara Tubarão, baseado no texto de 2Timoteo 3:1-6. "Sabe, porém, isto:nos últimos dias, sobrevirão tempos difíceis, pois os homens serão egoístas, avarentos, jactanciosos, arrogantes, blasfemadores, desobedientes aos pais, ingratos, irreverentes, desafeiçoados, implacáveis, caluniadores, sem domínio de si, cruéis, inimigos do bem, traidores, atrevidos, enfatuados, mais amigos dos prazeres que amigos de Deus, tendo forma de piedade, negando- lhe, entretanto, o poder. Foge também destes. Pois entre estes se encontram os que penetram sorrateiramente nas casas e conseguem cativar